1 de jan de 2014

O centro do ciclone


O Zen diz: esforce-se sem esforço. Como isso se aplica a meditação?

Meditação é um fenômeno de energia e uma coisa básica precisa ser entendida sobre todos os tipos de energia e essa lei básica a ser entendida é que a energia se move numa polaridade dual. Move-se somente dessa maneira, não há outro jeito de se movimentar. Move-se numa polaridade dual.
É como a eletricidade, que se move com polaridades negativas e positivas. Os dois polos são necessários e quando ambos se encontram, criam eletricidade e surge a fagulha.
Isto é válido para todos os tipos de fenômeno. A polaridade homem \ mulher dá continuidade a vida. A mulher é a energia vital negativa e o homem é o polo positivo. Ambos são atraídos porque são elétricos. Entre ambos, entre os dois polos, as duas margens, flui o rio da vida.
E onde quer que você olhe verá a mesma energia movendo-se entre duas polaridades, equilibrando-se.
Essa polaridade é muito significativa para a meditação, porque a mente é lógica e a vida é dialética (a vida procura a verdade por meio de oposição e conciliação de contradições).
Quando digo que a mente é lógica, isso significa que ela se move linearmente. Quando digo que a vida é dialética, isto significa que se move de um polo ao outro e não linearmente. Faz um ziguezague, do negativo para o positivo, do positivo para o negativo. É um ziguezague – ela usa os opostos.
A mente move-se numa linha simples e direta. Nunca se move para os opostos. A mente nega os opostos. Ela crê no um e a vida crê no dois.
Portanto, seja o que for que a mente crie, ela escolhe o um. Se escolhe o silêncio, se a mente se cansa do barulho criado pela vida e decide-se pelo silêncio, ela se refugia nos Himalaias. Quer ficar quieta. Não quer nada com qualquer espécie de ruído. Até o canto dos pássaros a perturba, até a brisa soprando nas árvores a perturba. A mente quer o silêncio. Ela escolheu a linha. Agora, o oposto tem que ser completamente negado.
Mas este homem que vive nos Himalaias em busca do silêncio, que evita o oposto, o outro, certamente se tornará insípido (sem alegria), se tornará morto. E quanto mais escolher o silêncio, mais insensível ficará, porque a vida necessita do oposto, do desafio do oposto.
O primeiro, é um silêncio morto, é o silêncio dos cemitérios. Um homem morto é totalmente silencioso, mas ninguém quer ser um cadáver. A concentração de um homem morto é perfeita, ninguém pode perturbá-lo, ninguém pode distrair a sua mente. Mesmo assim, ninguém quer ser um cadáver. Se você está silencioso porque morreu, seu silêncio não significa nada.
O silêncio deve acontecer quando você está completamente vivo, pulsando de vida e energia. Então, o silêncio é muito significativo. Mas será diferente, terá uma qualidade completamente diferente. Você estará vivo – será um equilíbrio sutil entre duas polaridades.
O homem que busca um equilíbrio vivo, um silêncio vivo, quer estar tanto nos Himalaias quanto numa feira. Ele quer ir a feira para desfrutar do barulho e quer ir aos Himalaias para desfrutar do silêncio. E, assim, cria-se um equilíbrio entre essas duas polaridades e permanece no equilíbrio. Esse equilíbrio não pode ser alcançado através de esforços lineares.
É este o significado da técnica Zen do esforço sem esforço. Ela usa termos contraditórios: o esforço sem esforço ou porta sem porta, ou caminho sem caminho. O Zen sempre usa termos imediatamente contraditórios, apenas para insinuar que o processo será dialético e não linear.
O oposto não deve ser negado, mas sim absorvido. O oposto não deve ser posto de lado – ele tem de ser usado.
A energia pode ser convertida e utilizada. Quando você a usa, torna-se mais vital, mais vivo. O oposto tem que ser absorvido para que o processo seja dialético.
O não esforço significa não fazer nada, inatividade – akarma. O esforço significa fazer muito, atividade – karma; ambos devem estar presentes.
Faça muito, mas não seja um agente – então conseguirá ambos.

Mova-se no mundo, mas não seja parte dele. Viva no mundo, mas não deixe que o mundo viva em você. Então a contradição será absorvida e você não estará rejeitando nada; não estará negando nada. E lembre-se: Deus foi aceito em sua totalidade.

3 comentários:

  1. Alô todos amigos e amigas de Osho.

    Desejando a todos um super 2014, venho propor um desafio conjunto para este ano: minha proposta é que todos nós que praticamos as meditações divulgadas por Osho gravemos depoimentos em vídeo sobre o que essas meditações provocaram em nós, o quanto elas são importantes na nossa jornada interior, quais os benefícios para a nossa saúde física, mental e espiritual que essas meditações oferecem.

    O objetivo é que mais e mais pessoas passem a praticar meditações Osho a partir desses vídeos. Conhecendo como as meditações são importantes nas vidas de outras pessoas, provavelmente quem ainda não conhece as meditações Osho se sentirá motivado a praticá-las.

    Atualmente a internet tem sido uma ferramenta inigualável para divulgação de Osho. Blogs, sites e praticamente todas as redes sociais são férteis em textos de Osho.

    No entanto, como muitas pessoas só conhecem os textos, acabam considerando que o que Osho pode oferecer são apenas suas palavras. Acabam confundindo Osho com um filósofo ou algo parecido, quando, na verdade, sabemos que o fundamento do trabalho de Osho é a meditação - e particularmente as meditações ativas criadas por ele.

    Assim, proponho mostrarmos a todos que Osho é bem mais que palavras. Se cada um de nós gravarmos um depoimento pessoal sobre como conhecemos as meditações Osho, quais já praticamos e quais os efeitos que elas tiveram em nossas vidas, já teremos material suficiente para criarmos um blog só com esses vídeos de depoimentos.

    E ficaria ainda melhor se, além de gravarmos nossos depoimentos, conseguíssemos convidar outros praticantes das meditações Osho para que também gravem seus testemunhos.

    E no blog podemos colocar os endereços de espaços Osho por todo o país, para que as pessoas também busquem e conheçam esses espaços.

    Vocês topam? Vamos começar? Quem quiser pode me mandar o vídeo (pode ser gravado com um celular mesmo) para murilointernet@gmail.com que estou criando o blog e divulgarei aqui o endereço assim que tiver os primeiros vídeos.

    Desde já agradecendo muito a todos que participarem, fico à disposição para mais informações.

    Murilo Hildebrand de Abreu (Aabhar)
    editor do blog palavras de Osho

    ResponderExcluir
  2. O que Osho me diria se eu dissesse a ele que sou plenamente feliz por seguir regras e dogmas ?

    ResponderExcluir
  3. Olá amigos!
    Hoje completamos 24 anos sem a presença física do nosso querido mestre Osho,mas sua palavras e principalmente o intervalo entre elas está muito presente em tudo!
    Abraços a todos!

    ResponderExcluir

Sua opinião é importante para mim. Deixe sua mensagem.