12 de set de 2013

Dhammapada - Somente o amor dissipa o ódio


Sutra:
Nesse mundo
O ódio jamais dissipou o ódio.
Somente o amor dissipa o ódio.                                                                     
Essa é a lei, ancestral e inexaurível (inesgotável)

Esse sutra nos ensina algo de profunda importância: O ódio existe com o passado e o futuro. O amor não precisa de nenhum passado. O amor existe no presente. O ódio tem uma referência no passado: alguém o tratou mal ontem e você está carregando isso como uma ferida, como uma ressaca. Ou você teme que alguém o trate mal amanhã – um medo, uma sombra de medo e você já começa a se aprontar, a se preparar para se deparar com isso.
O ódio existe no passado e no futuro. Você não pode odiar no presente – tente, e você se verá completamente impotente. Tente hoje: odeie alguém no presente, sem nenhuma referência ao passado ou ao futuro – você simplesmente não consegue! Isso não pode ser feito. Pela própria natureza das coisas, é impossível.
O ódio só pode existir se você se lembrar do passado. Esse homem o fez alguma coisa ontem – então, o ódio é possível; ou este homem vai lhe fazer alguma coisa amanhã – então o ódio também é possível.
Mas se você não tem nenhuma referência ao passado ou ao futuro – esse homem não lhe fez nada e não vai lhe fazer nada, ele está apenas sentado ali... – como você pode odiar?
Mas você pode amar. O amor não precisa de nenhuma referência: eis a beleza e a liberdade do amor. O ódio é um cativeiro, o ódio cria ódio, o ódio provoca ódio. Se você odeia alguém, você está criando ódio por você no coração daquela pessoa. E o mundo todo existe no ódio, na destrutividade, na violência, no ciúme, na competitividade.
As pessoas estão apertando a garganta uma das outras – ou na realidade, verdadeiramente, em suas atitudes, ou pelo menos em suas mentes, em seus pensamentos, todos estão assassinando e matando. Eis porque fizemos um inferno desta linda terra – que poderia se tornar um paraíso.
Ame e a terra se torna um paraíso novamente. E a imensa beleza do amor é que ele não tem nenhuma referência. O amor vem a você sem motivo nenhum. Ele é sua bem aventurança transbordante, ele é o compartilhar do seu coração. Ele é o compartilhar da canção do seu ser. E compartilhar é tamanha alegria! Por isso a pessoa compartilha. Compartilha pela graça do compartilhar, por nenhum outro motivo.

Então, nesse momento, olhe dentro... Perceba as emoções mais pesadas que você está carregando hoje... E perceba que elas têm uma referência no passado.

Então, deixe ir... E flua em harmonia com a natureza; com o momento presente...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é importante para mim. Deixe sua mensagem.